Interreg Sudoe - Programa Interreg Sudoe

Consulte las ideas de proyectos existentes

Objetivo 3b1: Mejora y crecimiento de las posibilidades de internacionalización de las pymes
Objetivo 3b1: Mejora y crecimiento de las posibilidades de internacionalización de las pymes

SUDOE Bike Value

Institución ABIMOTA - Associação Nacional das Indústrias de Duas Rodas, Ferragens, Mobiliário e Afins Persona de contacto Gil Nadais Mostrar email Ciudad - Código postal - País Portugal Región Centro Prioridad Objetivo 3b1: Mejora y crecimiento de las posibilidades de internacionalización de las pymes

Descripción

Mais de um terço das empresas exportadoras portuguesas têm menos de seis trabalhadores, revela um inquérito sobre a internacionalização das PME (Pequenas e Médias Empresas) promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa. O inquérito “Insight, Um olhar sobre a internacionalização das PME”, mostra que 38% das empresas com atividade internacional têm entre 1 e cinco colaboradores, 32% destas PME têm entre 10 e 49 trabalhadores e apenas 8% têm mais de 100.

A internacionalização destas empresas passa sobretudo pelas exportações diretas para clientes internacionais que são, aliás, a principal porta de entrada nos mercados externos. As viagens e reuniões de prospeção com potenciais cliente e outros parceiros de negócio representam a via mais comum para a internacionalização, seguindo-se as feiras internacionais.

Os dados demonstram uma concentração das exportações em poucos mercados, com maioria das PME a venderem apenas para um a cinco mercados internacionais e uma minoria estão presentes em mais de cinco mercados, com o setor agrícola a mostrar um maior grau de diversidade geográfica.

Ao longo dos últimos 20 anos, a grande transformação que sobressai da evolução da economia portuguesa é o aumento do seu grau de abertura ao exterior, com as exportações a passarem a ser "determinantes para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB)" e a serem responsáveis, em 2016, por 1,2% do crescimento do PIB em volume (79,6%), contra apenas 0,3% (20,4%) da procura interna.

No entanto o perfil de processo de compra internacional está a ser alterado, sendo que o comércio internacional via e-commerce deverá triplicar até 2021, para 900 mil milhões de dólares, e atingir mais de 900 milhões de consumidores internacionais online. As micro e PME têm, por isso, de se afirmar já para entrar no jogo dos melhores do mundo neste domínio: Estados Unidos, Reino Unido e China.

As principais vantagens do e-commerce, como a redução de custos na distribuição, a diminuição das barreiras à entrada nos diferentes mercados, a possibilidade de um maior conhecimento sobre os clientes e o ambiente de negócios, uma maior cobertura geográfica e o acesso a novas oportunidades de negócio internacionais, posicionam-no como uma evolução necessária para a crescente internacionalização das micro e PME.

Neste sentido a ABIMOTA pretende desenvolver um projeto assente em 3 eixos imersão, qualificação e divulgação. Com o objetivo de caracterizar as competências existentes, estruturar a ferramenta e as formas de colaboração e por ultimo fazer a sua divulgação junto dos mercados alvos estabelecidos.

Resultados esperados

O objetivo da Candidatura é o de criar uma ferramenta de procurement para fornecedores OEM, que permita a catalogação das Empresas da região relacionadas com os setores de atividade da ABIMOTA.

Em termos operacionais pretende-se:

Catalogar as principais características das PME que existem nas regiões do projeto Sudoe OEM Value

Criação de redes de PME para aumentar a sua competitividade face às organizações de maior dimensão

Criação de cadeias de valor para poderem fornecer soluções de maior valor acrescentado

Participação conjunta em processos de entrada de novos mercados

Mais do que uma alternativa ao comércio tradicional, o e-commerce deve ser encarado como uma excelente opor- tunidade de crescimento nos diversos mercados externos. No caso de Portugal, 10 por cento das empresas realizam ações de B2C – Business To Consumer, enquanto apenas nove por cento realiza ações B2B – Business to Business. Contudo, a nível mundial o e-commerce ascenderá este ano a 2,8 mil milhões de dólares, valor que em 2021 deverá situar-se já nos 4,5 mil milhões de dólares.

Assim o Projeto pretende Construir uma plataforma colaborativa digital entre as PME do Sudoe OEM Value, com o Desenvolvimento de redes colaborativas empresariais e o desenvolvimento de redes entre entidades dos sistema cientifico para suporte às PME.

Estas redes deverão potenciar a capacidade das micro e PME em responder às solicitações cada vez mais personalizadas que a presença nos canais digitais originam. A flexibilidade que decorre da sua pequena dimensão pode ser potenciada pela estrutura organizava que uma rede colaborativa propicia.

Pretende-se deste modo o desenvolvimento de processos de internacionalização em rede em que as empresas se liguem através de relações duradouras e relacionam o seu grau de internacionalização através da posição que essas organizações integram nas redes empresariais.

Por outro lado pretende-se disponibilizar informação que permita escolha do mercado, ponderada, para onde a empresa se irá internacionalizar, numa decisão em dois momentos. O primeiro momento estará na seleção de mercados potenciais, esta seleção será feita através de uma análise externa da empresa onde identificam um leque de mercados que se destaquem, o segundo momento estará na seleção dos mercados finais a alcançar, sendo esta escolha feita através de uma triagem, informada, de acordo com os critérios específicos de cada empresa.

Presupuesto total estimado 750000,00€ € Tiene beneficiarios ya implicados No

Origen del portador de proyecto

  • España
  • Francia
  • Portugal
Tags Internacionalização, PME, Bicicletas, Industria