Procurar
Close this search box.

eSudoe
2021-2027

Lista de projectos 27

AgroTour SUDOE

Agroturismo sustentável para o desenvolvimento socioeconómico e a protecção ambiental na área Sudoe
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.6 (...) Cultura/Turismo Sustentável
O sector primário nas zonas rurais da zona do Sudoe, além de representar uma parte muito importante do seu tecido, representa uma actividade chave do ponto de vista do desenvolvimento económico, da manutenção da população, da conservação do ambiente, da modelação da paisagem e da preservação das tradições e do património locais. Desempenham também um papel fundamental na implementação do Pacto Verde Europeu e são a melhor garantia da qualidade, sustentabilidade e segurança dos sistemas agro-alimentares. Contudo, o sector enfrenta também uma série de desafios prementes, incluindo o estreitamento das margens de lucro, a concorrência da produção estrangeira, a dificuldade de substituição geracional e a necessidade de adaptação às alterações climáticas, entre outros. Neste contexto, a diversificação das fontes de rendimento através do agro-turismo representa uma boa oportunidade para os produtores agrícolas e pecuários das diferentes regiões que compõem a área do Sudoe, permitindo também a valorização dos seus produtos junto dos consumidores, a atracção de jovens talentos para assegurar a substituição geracional e a dinamização das economias locais nas zonas rurais. Embora tenha havido algumas tentativas, na sua maioria ligadas ao desenvolvimento do turismo rural, o potencial para o desenvolvimento deste nicho de mercado no Sudoe é muito elevado, uma vez que está ligado aos valores e pontos fortes comuns do território. O projecto AgroTour Sudoe reunirá as capacidades e conhecimentos da área SUDOE para o desenvolvimento de experiências-piloto inovadoras que contribuam para uma maior aproximação entre a sociedade urbana e rural, ao mesmo tempo que favorecem uma mudança de paradigma do consumidor em relação tanto aos próprios produtos turísticos como aos produtos agro-alimentares (valor acrescentado dos produtos locais, cadeias de abastecimento curtas, produtos sazonais, etc.). Estas experiências serão concebidas, acompanhadas e avaliadas por peritos a nível académico, de modo a que os seus resultados possam ser objectivados e transferidos para as políticas públicas correspondentes.

ALERT-PFAS

Estratégia transnacional para detectar e prevenir a poluição por PFAS
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
As alterações climáticas aumentam as condições quentes e secas que potenciam o aumento do número de incêndios, bem como a sua intensidade, na área SUDOE. Os incêndios de 2022 nas áreas rurais do interior afetaram especialmente parques naturais e outras áreas protegidas. Por se tratar de incêndios mais agressivos, a utilização de espumas de combate a incêndios contendo retardadores de chama tem aumentado. Estas espumas contêm PFAS (substâncias perfluoroalquiladas e polifluoroalquiladas), “compostos eternos” altamente persistentes, móveis e prejudiciais para o ambiente e a saúde. A degradação das PFAS no solo e na água integra estes compostos no ciclo da água, originando gases fluorados que são emitidos para a atmosfera, contribuindo para o aquecimento global e as alterações climáticas. Por outro lado, a degradação dos gases na atmosfera conduz à poluição da água e do solo através da chuva ácida, redundando num ciclo de poluição ambiental. O objetivo principal de ALERT-PFAS é desenhar e implementar uma estratégia transnacional para detetar e prevenir a poluição por PFAS nos espaços naturais SUDOE, bem como mitigar os seus efeitos na biodiversidade dos ecossistemas e nas alterações climáticas. O projeto oferece uma solução inovadora para detetar e monitorizar PFAS em tempo-real e evitar que se tornem parte do ciclo da água, contaminando o ar, o solo e as águas. As ações piloto serão desenvolvidas em parques naturais ou áreas protegidas de Portugal, Espanha e França, afetados pelos recentes incêndios. O ALERT-PFAS pretende também capacitar e sensibilizar todos os atores chave na cadeia de valor, incluindo o público em geral. A parceria do projeto é constituída por 10 beneficiários e 12 associados dos 3 países SUDOE, que contribuirão com suas competências complementares. O ALERT-PFAS aplicará tecnologias inovadoras, tais como sensores ópticos, processos de adsorção e degradação, materiais poliméricos, nanotecnologia e inteligência artificial. A solução, transferível a todas as regiões da área SUDOE, é dirigida às autoridades públicas, entidades gestoras de parques naturais, gestoras de águas, organizações para a extinção de incêndios, proteção civil, entre outras.

An-Gel Sudoe

Aviso e controlo do risco de geadas de primavera na agricultura e arboricultura
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
Embora o processo de alterações climáticas e aquecimento global esteja intuitivamente associado a secas, ondas de calor e incêndios florestais, também tem efeitos muito negativos na agricultura ao alterar o ciclo de desenvolvimento natural das espécies vegetais. Invernos progressivamente mais frios favorecem a floração precoce das culturas, aumentando a vulnerabilidade das plantas às geadas primaveris. As geadas não são, portanto, mais intensas do que no passado, mas afectam as culturas em fases críticas do seu desenvolvimento, causando efeitos catastróficos, com perdas até 100% em algumas árvores de fruto e vinhas. A maioria das produções agrícolas representativas do Sudoe não têm quaisquer meios para prevenir e combater este risco, e as que o fazem baseiam-se em sistemas muito intensivos em energia, caros e insustentáveis. Neste contexto, o projeto An-Gel Sudoe reúne as capacidades científicas e técnicas mais representativas da área do Sudoe para o desenvolvimento e teste de soluções inovadoras para a prevenção e adaptação ao risco de geadas, bem como um sistema de alerta precoce para os produtores. Também se concentrará na assimilação dos resultados do projeto pelos produtores, através de um sistema de apoio, e na sua transferência para as políticas públicas, através de uma série de relatórios de recomendação. Finalmente, de um ponto de vista interdisciplinar, será desenvolvida uma avaliação socioeconómica das soluções desenvolvidas em relação a alternativas pré-existentes. Os resultados esperados pela An-Gel Sudoe proporcionam uma base de conhecimentos transnacional tangível e assimilável para adaptação ao risco de geadas, aumentando a resiliência das produções representativas da área do Sudoe através de soluções sustentáveis, de baixo custo e transferíveis para outros territórios do Sudoe ou da UE.

AQUAPRED

Sistema de controlo e prevenção de contaminantes em águas de mineromedicinais através IA
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
A investigação em tecnologias avançadas e a sua aplicação, no espaço SUDOE, a um tema com a importância económica e social como o termalismo, ajudando quer os centros de inovação quer os territórios mais despovoados e robustecendo redes já implementadas, em projetos anteriores como TERMARED, é a base do AQUAPRED. O AQUAPRED é um projeto multiterritorial, multidisciplinar e interdisciplinar de física, medicina, farmácia, química, biologia e informática, centrado na monitorização e controlo da água termal/mineromedicinal dos balneários e previsão de contaminantes, baseando-se na digitalização dos dados, em tempo real, relativos aos parâmetros fundamentais da água mineromedicinal. O projeto determinará os parâmetros fundamentais das águas termais, bem como os respetivos intervalos de flutuação num estabelecimento termal; estudar-se-á, também, a sua influência na segurança terapêutica e a qualidade da água e os possíveis modelos de relacionamento. Será estabelecido, pelo projeto, um modelo de hidrobioma das águas termais, que se associará às suas propriedades terapêuticas. Serão desenvolvidos e instalados sistemas piloto de recolha de dados, em tempo real, em balneários do território SUDOE, nos quais se monitorizarão esses parâmetros, utilizando dispositivos especificamente desenhados para esta função, para a sua digitalização posterior e análise. Será, ainda, desenvolvido um sistema inteligente que, em função daqueles dados, permita realizar um controlo sobre os elementos de tratamento de água (desinfetantes...) e um modelo de deep learning que permita prever a possibilidade de aparecimento de contaminantes naquelas águas (Legionela, E Coli, etc.). Com base nos dados coletados serão, também, aplicados modelos de eficiência energética que otimizem o consumo deste recurso e permitam reduzir a sua necessidade.

BIO4RES

Biomassa florestal e prevenção de incêndios: uma oportunidade para a resiliência do meio rural
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
O objetivo geral do projeto é melhorar a prevenção e gestão do risco de incêndios rurais da área SUDOE, consolidando a viabilidade dos planos de prevenção através da valorização da biomassa extraída e ajudando a desenvolver a resiliência das florestas sem comprometer o seu ecossistema e os seus serviços económicos e sociais. Os principais desafios abordados pelo projeto são a prevenção de incêndios rurais; a resiliência das florestas e a prevenção da biodiversidade; a geração de emprego e atividade económica nas zonas rurais para manter a população; a descarbonização e utilização da biomassa como fonte de energia renovável. A redução da biomassa florestal é uma das ações prioritárias nos planos de prevenção de incêndios, mas a falta de pessoal e de recursos torna por vezes inviável a sua extração. O projeto promove a extração desta biomassa, minimizando simultaneamente o impacto na biodiversidade e facilitando a viabilidade económica deste recurso endógeno como fonte de energia renovável, com um impacto positivo no desenvolvimento económico das zonas rurais e na manutenção da população. As principais ações a realizar serão: -Uma estratégia conjunta de recuperação de biomassa para melhorar a viabilidade dos planos de prevenção de riscos de incêndio. -Soluções exemplificativas: 1. Sistema de indicadores de biodiversidade para medir o impacto da extração de biomassa nas florestas 2. Novos métodos mecânicos de extração de biomassa 3. Modelo para a gestão florestal integrada e utilização local de biomassa em regime de cadeia curta 4. Planos de formação para trabalhos florestais Estas ações serão desenvolvidas conjuntamente por um consórcio transnacional e multidisciplinar e serão disponibilizadas aos proprietários florestais, autoridades locais e regionais, empresas transformadoras de biomassa e respetiva cadeia de valor e outros atores nos territórios SUDOE com áreas florestais, contribuindo assim para a resiliência das florestas e ambientes rurais.

COOPTREE

Cooperação transnacional para a preservação e resiliência das florestas no sudoeste da Europa
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.7 (...) Proteção e preservação da natureza / biodiversidade / infraestruturas verdes
O SUDOE tem grandes e variadas áreas florestais que fornecem muitos serviços (produção de madeira, estabilização dos solos, armazenamento de CO2, qualidade da água, rica biodiversidade...). As florestas e os serviços que prestam são cada vez mais ameaçados por vários perigos, tais como a antropização, incêndios, agentes patogênicos e alterações climáticas. O projeto COOPTREE visa, portanto, preservar estes recursos pelo seu valor atual e futuro (tanto económico como ecossistémico), e fornecer aos silvicultores de amanhã um corpo de conhecimentos e experiências que lhes permitam tomar decisões informadas. Estes objetivos estratégicos baseiam-se na criação de uma base de conhecimentos especializada nesta área, aplicada às florestas do território. Propõe-se, portanto, desenvolver uma estratégia transnacional para o conhecimento e conservação dos recursos genéticos de interesse. Este trabalho será complementado por um melhor conhecimento da capacidade destas espécies florestais para resistir ao stress hídrico e à seca. Tiraremos igualmente partido da herança preciosa constituída pelas numerosas experiências (plantação e gestão) que foram levadas a cabo no passado. Medida que as questões forem evoluindo, o projeto irá finalmente propor a implementação de ações-piloto para preservar e melhorar a resiliência das florestas nos territórios. A localização sul do SUDOE faz dele uma sentinela para os territórios europeus que terão de enfrentar importantes alterações climáticas e, portanto, consequências nas suas florestas. O trabalho à escala do SUDOE oferece gradientes consideráveis de situações (pedológicas, biológicas, topográficas e históricas) e influências climáticas. Os atores florestais são numerosos e dispõem de uma vasta gama de competências e experiência complementares. A diversidade de ecossistemas e espécies que neles se desenvolvem é única e deve ser preservada, além de constituir um trunfo importante para a adaptação e a resiliência das florestas.

Cultur-Monts

Valorização das PaisagensCulturais de montanha:recurso para o desenvolvimento territorialsustentável
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.6 (...) Cultura/Turismo Sustentável
As zonas montanhosas do sudoeste da Europa estão a viver uma situação crítica de despovoamento e envelhecimento, o que torna essencial revitalizar a sua estrutura social e produtiva. Este projeto aborda este desafio através do desenvolvimento do potencial interno de cinco casos-piloto, onde o objetivo é valorizar o património associado às suas paisagens culturais como instrumento de inovação social que oferece novas oportunidades de desenvolvimento às comunidades de montanha, melhorando a sua qualidade de vida, a coesão territorial e o desenvolvimento de novos recursos económicos. Isto contribuirá para atenuar os significativos desequilíbrios territoriais, sociais e económicos atualmente existentes. Nas últimas décadas, a investigação arqueológica realizada em regiões montanhosas do sudoeste da Europa mostrou que estas não são apenas áreas naturais e biodiversas, mas também contêm um importante legado cultural resultante da intensa atividade humana que moldou estas paisagens culturais ao longo do tempo. Contudo, este património cultural característico das zonas de montanha é pouco conhecido e tem sido subvalorizado como um instrumento para a revitalização, inovação e transformação sustentável destes territórios. O objetivo é valorizar as paisagens culturais de montanha e o seu património, a fim de oferecer novas oportunidades de desenvolvimento às comunidades locais. Isto melhorará a sua qualidade de vida, reforçará a coesão territorial e diversificará os serviços e opções de emprego no território, aumentando a autoestima da população local e capacitando os organismos públicos para atrair visitantes, integrar novas populações e atrair os jovens para os seus territórios. A criação de uma rede de cooperação internacional ligada às paisagens culturais de montanha é um marco para o desenvolvimento de estratégias conjuntas entre Espanha, Portugal e França para a valorização e utilização do património cultural como um recurso para o desenvolvimento territorial sustentável.

ECOSPHEREWINES

Incremento dos serviços ecossistémicos e infraestruturas verdes em vinhas de grande valor ecológico
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.7 (...) Proteção e preservação da natureza / biodiversidade / infraestruturas verdes
Nas últimas décadas, a agricultura adotou práticas produtivas baseadas em modelos industriais para satisfazer a procura de alimentos associada ao crescimento populacional, criando padrões de produção homogéneos que transformaram paisagens e ignoraram as múltiplas funcionalidades oferecidas pela natureza. O projeto ECOSPHEREWINES centra-se na melhoria das paisagens ligadas ao cultivo da vinha, um recurso económico e turístico fundamental na zona SUDOE, especialmente em territórios interiores, afetados pelo despovoamento e envelhecimento, onde a preservação do capital natural e ambiental é crucial para as comunidades rurais, uma vez que é uma fonte de riqueza. O objetivo do projeto é melhorar os serviços ecossistémicos prestados pelas paisagens vitícolas através da implementação de uma rede de infraestruturas verdes (IV) em zonas de elevado valor ecológico como estratégia centrada na sua conservação e gestão sustentável, melhorando a biodiversidade e aumentando a sua resiliência às alterações climáticas. A estratégia do planeamento territorial baseada em serviços ecossistémicos já provou ser um método eficaz de planeamento e gestão sustentável, especialmente em ambientes urbanos. Contudo, a aplicação deste método nas zonas rurais enfrenta o desafio da falta de dados específicos. Para enfrentar este desafio, o projeto irá analisar o estado da arte das IV em várias escalas de paisagem, identificar fatores que impulsionam ou dificultam a sua implementação em paisagens vitícolas, e conceber e testar, em dois pilotos, uma metodologia que permita selecionar, calcular, medir e mapear os serviços ecossistémicos em paisagens vitícolas, mais relevantes a diferentes escalas para estabelecer cenários futuros que permitam a tomada de decisões de planeamento de paisagens vitícolas com características semelhantes, permitindo a transferência e capitalização das soluções testadas a nível transnacional para desenvolver uma gestão mais global e holística que melhore a biodiversidade, o ambiente e os serviços turísticos e culturais nas zonas rurais da área SUDOE.

FASHION FORWARD

FASHION FORWARD
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.4 (...) Especialização inteligente / Transição industrial / Empreendedorismo
A indústria têxtil e de vestuário Europeu enfrenta um desafio sem precedentes que decorre do Pacto Verde Europeu e que se traduz numa série de novos requisitos obrigatórios na gestão de resíduos têxteis, defendendo um modelo circular e sustentável. Entre outros, destaca-se a reciclagem de resíduos têxteis a ser realizada pelos municípios ou por exemplo a necessidade de as empresas têxteis passarem a incorporar fibras recicladas. Esta mudança de paradigma atinge um setor altamente fragmentado em que os interesses dos agentes da cadeia de valor (principalmente empresas, entidades públicas, associações de recolha de resíduos, consumidores) não estão alinhados, basicamente porque, até agora, não tenha havido essa necessidade. O Fashion Forward aborda este desafio na área do SUDOE, com especial foco nas zonas rurais, território em que os têxteis e o vestuário têm um enorme impacto económico, social e ambiental. Através de uma estratégia holística transnacional, desenhada por um consórcio constituído por representantes de toda a cadeia de valor vai promover-se a circularidade na indústria da moda no SUDOE (envolvendo toda a cadeia de valor, incluindo a incorporação de resíduos têxteis pós-consumo nas coleções de vestuário). A estratégia, que combina informação, formação, tutoria, sensibilização e ações-piloto, será implementada através de planos de ação locais na Catalunha, Ilhas Baleares, Galiza, Occitana e Vale do Ave. Cada ação será adaptada às necessidades de cada grupo-alvo, a fim de suportar a adaptação à mudança. O Fashion Forward propõem 5 pilotos (3 tecnológicos ligados a empresas, um sobre medição de impacto ambiental e outro sobre gamificação em escolas primárias e secundárias). Irá impactar 115 empresas, 300 municípios e entidades locais, 16 associações de gestão de resíduos, 50 escolas e uma fração significativa de consumidores através de uma campanha estratégica de sensibilização.

FLoRE

Flora local para a restauração ecológica
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.7 (...) Proteção e preservação da natureza / biodiversidade / infraestruturas verdes
Os territórios do espaço SUDOE albergam uma biodiversidade excepcional, mas a aceleração das consequências do aquecimento global, a intensificação das atividades humanas e o êxodo rural são responsáveis pela degradação e fragmentação dos ecossistemas. Neste contexto, o desafio do projeto FLoRE é demonstrar a viabilidade económica e organizacional de uma mudança de escala na implementação de uma série de soluções de restauração ecológica valorizando um recurso local: sementes de plantas herbáceas silvestres nativas e de origem local. Para o efeito, começaremos por desenvolver ferramentas práticas adaptadas às necessidades atuais dos nossos grupos-alvo (autoridades públicas, empresas, prescritores, proprietários, gestores), com base nas lições aprendidas em projetos anteriores. Em seguida, criaremos uma rede de sítios de demonstração em ambientes diversificados com fortes desafios, para dar a conhecer diferentes soluções (incluindo modalidades de restauração ecológica e diferentes sítios de multiplicação de sementes). Ao mesmo tempo, iremos liderar um processo participativo multi-atores para conceber e testar novos modelos de cooperação económica destinados à auto-produção de sementes pelos utilizadores ou ao fornecimento de produtos e serviços a terceiros, de acordo com um catálogo comum. Acompanharemos de igual modo as autoridades públicas e empresas que pretendam introduzir sementes de plantas herbáceas silvestres nativas e de origem local nos seus processos de restauração e organizaremos jornadas de divulgação para o público em geral. As nossas ações contribuirão para a preservação da qualidade de vida e da atratividade das zonas rurais. O nosso consórcio é composto por 8 parceiros (3 em França, 3 em Espanha e 2 em Portugal). Os nossos sítios-piloto estarão localizados na Occitânia e Auvergne (França), Extremadura, Soria e Murcia (Espanha), na Serra da Estrela e na margem esquerda do Rio Guadiana (Portugal). A cooperação transnacional permitir-nos-á fornecer um leque de soluções de restauração, adaptadas aos contextos regulamentares de cada país e às realidades de cada território, atendendo à diversidade de ambientes representativos do espaço SUDOE.

GestEAUr

Gestão sustEntável e digitalizada da AgUa em áreas rurais do espaço SUDOE
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.5 (...) Acesso à água / gestão sustentável da água
As zonas rurais SUDOE apresentam múltiplos desafios comuns relacionados com o ciclo integral da água: a escassez de recursos hídricos (agravados pela mudança climática), o impacto da atividade agrícola na qualidade da água (e a consequente dificuldade de compatibilizar o cumprimento da diretiva europeia, a continuidade da atividade económica e a disponibilidade de água potável) e a falta de eficiência e rentabilidade da gestão (com instalações obsoletas e escassez de recursos humanos). É essencial reforçar as redes de colaboração entre os múltiplos intervenientes envolvidos na gestão dos recursos hídricos, a fim de implementar técnicas eficientes, sustentáveis e rentáveis para a potabilização, reutilização e depuração da água. Para tal, é necessário criar um novo sistema de governança baseado na cooperação territorial. A água é um bem comum e, como tal, não conhece fronteiras. O projeto desenvolverá: 1 estratégia para melhorar, quer a eficiência hidrica, quer a qualidade da água nas zonas rurais SUDOE num contexto de mudança climática; 5 planos de ação para que 4 organizações possam melhorar os serviços de abastecimento e tratamento de água; 3 ensaios-piloto de soluções sustentáveis e rentáveis para a potabilização, depuração e reutilização da água, e 1 ferramenta digital para que 2 entidades possam melhorar a gestão da água. Além disso, permitirá capacitar organismos públicos de 3 países e melhorar os conhecimentos sobre as técnicas de potabilização, reutilização e depuração da água de 3 instituições científicas. A GestEAUr adotará uma abordagem inovadora, abordando o ciclo integral da água de forma holística (tendo em conta todas as suas fases) e vai além da prática existente, que normalmente aplica as mesmas soluções independentemente das características do território onde são implantadas. Assim, analisará e testará técnicas (e combinações de técnicas) específicas, rentáveis, de vanguarda e baseadas na natureza (SBN) para satisfazer as necessidades das zonas rurais SUDOE. Além disso, fornecerá ferramentas digitais para otimizar e facilitar a sua gestão e planeamento.

HENKO NET

Inovação e Tecnologias Digitais para Cuidados Paliativos Sociais e de Saúde no domicílio
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.5 (...) Acesso aos cuidados de saúde /sistemas de saúde
Em Espanha, do total de pessoas com necessidade de cuidados paliativos (CP) apenas 49,2% dos pacientes os recebe. Em França, 85% das pessoas desejaria morrer em casa; no entanto, apenas 37% o fazem. Em Portugal, a Associação Portuguesa de CP alertou para o facto de cerca de 70.000 pessoas não terem acesso a tais cuidados. No entanto, tais cuidados são cruciais, uma vez que permitem o controlo dos sintomas, o que constitui uma obrigação ética de aliviar e respeitar a dignidade das pessoas. Quando aplicados em casa, os pacientes experimentam um maior bem-estar. HENKO significa em japonês uma mudança profunda e transformadora. Assim, HENKO NET visa criar uma comunidade de conhecimentos para reforçar os sistemas de cuidados paliativos e provocar a transformação organizacional, promovendo a inovação e a adoção de tecnologias digitais inovadoras que permitirão cuidados contínuos em casa dos pacientes e também em meio rural. Para tal, os parceiros conceberão uma estratégia conjunta e um plano de ação destinados a promover uma atitude inovadora nos profissionais, formação avançada e intercâmbio das melhores práticas em novos modelos de cuidados e a adoção de tecnologias digitais eficazes. Um dos resultados mais inovadores será o desenvolvimento da plataforma HENKO com base na inteligência artificial para a deteção precoce da necessidade de CP e a antecipação de eventos indesejados (médicos ou sociais). Isto permitirá uma melhor organização dos cuidados, uma monitorização mais eficaz em casa e uma redução das hospitalizações. O processo de desenvolvimento da ferramenta envolverá a participação ativa de pacientes, familiares e profissionais e será pilotado com 100 pacientes para determinar a sua eficácia e eficiência. A cooperação entre os beneficiários dos três países (ES, FR e PT) é essencial, uma vez que a inovação nesta área é muito escassa, pelo que o alargamento do cenário de trabalho a nível transnacional proporcionará conhecimentos suficientes para o desenvolvimento de soluções.

HITTS

Heritage Innovation, Territory, Tourism and Sustainability
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.6 (...) Cultura/Turismo Sustentável
O HITTS enfrenta os seguintes desafios comuns ao espaço SUDOE: despovoamento, envelhecimento e saída de recursos humanos altamente qualificados; falta de valorização do património, nomeadamente artístico e cultural, enquanto motor da atividade ecoturística; baixo nível de reutilização adaptativa do património e falta de coordenação e conscientização de todos os atores locais. Por isso, o HITTS tem como principal objetivo a valorização das singularidades culturais, naturais e patrimoniais dos espaços rurais do SUDOE, assente na revitalização do património cultural e natural, na criação artística e no desenvolvimento da colaboração público-privada através de metodologias e ferramentas inovadoras para promover o turismo sustentável e ecológico. O HITTS é um projeto inovador que visa a realização de ações transnacionais de promoção do turismo sustentável assente na valorização do património cultural e natural das zonas rurais do espaço SUDOE, mobilizando e envolvendo atores e agentes locais ao longo da sua execução, a reutilização adaptada do património com base em produções artísticas e culturais, e o desenvolvimento de estratégias público-privadas na perspetiva de uma governação renovada. O projeto iniciar-se-á com ações centradas no envolvimento de todos os intervenientes nas zonas rurais de intervenção (GT1) através dos laboratórios territoriais. Será elaborado um diagnóstico participativo por território para avaliar os recursos patrimoniais, culturais e artísticos endógenos e serão detectadas 15 boas práticas. Será desenhada uma estratégia comum para o desenvolvimento socioeconómico inovador e sustentável das zonas rurais do espaço SUDOE (GT2), que será a principal concretização do projeto, assente na valorização turística do seu património cultural e natural. Finalmente, o HITTS propõe a implementação de ações piloto da estratégia, adaptadas às singularidades, condições e necessidades de cada território.

I-ReWater

Gestão sustentável dos recursos hídricos em agricultura de regadio no espaço SUDOE
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.5 (...) Acesso à água / gestão sustentável da água
O I-ReWater analisa o estado atual dos recursos hídricos no espaço SUDOE, dando especial atenção ao aproveitamento da água residual tratada na agricultura de regadio, e os seus efeitos na produção e qualidade das culturas, promovendo a resiliência e segurança da água. A dinâmica dos volumes disponíveis de água residual tratada e a sua qualidade serão consideradas na análise integral dos recursos hídricos, avaliando o seu uso potencial, somado às fontes usuais de água no regadio (superficiais e subterrâneas). Do projeto obter-se-á a Estratégia de Ação a nível transnacional na qual serão estabelecidas as etapas a serem seguidas para incorporar a água residual tratada ao conjunto de águas para a rega, reduzindo as extrações de fontes convencionais, melhorando o volume e a qualidade dos recursos hídricos disponíveis para outros. usos (circularidade). O desenho da Estratégia assenta no estudo dos recursos hídricos disponíveis, e na avaliação do impacto ambiental da rega com água residual tratada através da utilização da metodologia de Análise do Ciclo de Vida (ACV), dando especial atenção ao impacto na eutrofização e acidificação da água, ecotoxicidade e quantificação da pegada hídrica. A abordagem da análise socioeconómica do futuro abastecimento de água para a rega e a sensibilização do público para a utilização de água reciclada para a rega das culturas está incluída na elaboração da Estratégia. Serão realizadas duas ações-piloto para demonstrar o uso adequado da água reciclada na rega, nas culturas hortícolas e nas culturas lenhosas, num total de 16 experiências, contemplando diferentes contextos socioculturais e ambientais. A partir do I-ReWater serão desenvolvidas ferramentas para melhorar a tomada de decisão, integrando os modelos/aplicações existentes, estabelecendo uma estratégia sustentável de rega deficitária ao longo do tempo, beneficiando os agricultores e a população em geral. A abordagem transnacional do projeto com culturas regadas em diferentes localidades e a integração da experiência anterior dos Beneficiários é um dos aspectos inovadora da proposta.

NEWPOWER

Valorização integral de resíduos agroflorestais: Novas biorrefinarias multiprodutos escaláveis
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
O principal objetivo de NEWPOWER é resolver os problemas associados à elevada geração de resíduos agrícolas e florestais, que se acumulam cada vez mais devido ao abandono das áreas rurais, e que provocam um grande número de incêndios. O NEWPOWER criará uma rede de colaboração entre entidades públicas e privadas no espaço SUDOE, procurando a gestão sustentável destes resíduos, desenvolvendo novos processos de conversão, obtenção de energias renováveis e novos produtos de elevado valor acrescentado, que implicarão benefícios socioeconómicos e criação de emprego qualificado. O carácter inovador de NEWPOWER assenta na utilização integral dos resíduos agrícolas e florestais, reaproveitando-os em vez de os eliminar. A obtenção de ingredientes de alto valor agregado gerará benefícios para as empresas do setor e abrirá novas linhas de negócios. O projeto visa a obtenção de produtos biofuncionais atraentes para uso nas indústrias alimentar, farmacêutica, biotecnológica e de agricultura orgânica. Para atingir o objetivo será necessário estabelecer uma forte cooperação transnacional, onde cada entidade aporta o seu conhecimento nas diferentes etapas. Alguns estarão envolvidos em processos inovadores e ecológicos de extração de produtos de valor acrescentado com base numa biorrefinaria multiprodutos em contexto de Economia Circular; outros focados na caracterização e encapsulamento de compostos ativos de interesse; e outros na formulação de alimentos funcionais, nutracêuticos, embalagens inteligentes, produtos fitofarmacêuticos naturais, produção de biocombustíveis, bioplásticos e produtos químicos de plataforma. Por fim, será realizado um estudo técnico-económico e ambiental de todos os processos desenvolvidos no NEWPOWER para estudar sua viabilidade industrial. A organização da sociedade civil envolvida terá um papel fundamental na sensibilização e divulgação dos resultados, promovendo a sustentabilidade, o consumo responsável, hábitos e alimentação saudáveis e a redução do desperdício, de forma a alcançar o bem-estar da sociedade no seu conjunto.

Phos4Cycle

Monitorização dos fosfatos das actividades agrícolas para utilização sustentável do solo e da água
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.7 (...) Proteção e preservação da natureza / biodiversidade / infraestruturas verdes
A poluição da água e do solo é um desafio comum na área de SUDOE. As fragilidades na gestão dos solos agrícolas e pecuários, e em particular a aplicação inadequada de fertilizantes nas explorações agropecuárias, levam a concentrações nocivas de nutrientes nas águas superficiais e subterrâneas, bem como à deterioração dos solos. Existe uma preocupação crescente na área SUDOE relativamente à poluição da água e do solo por fosfatos provenientes de actividades agrícolas e pecuárias. Phos4Cycle procura promover a proteção, conservação e recuperação de solos e massas de água superficiais e subterrâneas afetadas por ou em risco de contaminação por fosfatos. Para este fim, o projeto propõe, por um lado, desenvolver uma estratégia comum e um plano de ação para a gestão dos fosfatos associados à atividade agrícola e pecuária nas zonas rurais, a fim de melhorar as práticas agrícolas, e estabelecer um projeto piloto para melhorar o controlo dos fluxos de fosfatos e a previsão do risco de eutrofização nas bacias hidrográficas. Espera-se que o projeto apoie agricultores e produtores de gado através da gestão sustentável da água e do solo, bem como as autoridades e agências relevantes. O projeto beneficia da colaboração nacional e internacional de um conjunto de organizações que podem implementar projetos-piloto de monitorização do fluxo de fosfatos com forte componente técnica em diferentes contextos (em termos de bacia hidrográfica, clima, solo, ciência do solo, atividade agrícola e sistema de gestão), e que identificaram a contaminação do solo e da água por fosfatos como uma prioridade. A poluição por fosfatos, ao contrário da poluição por nitratos, é uma questão relativamente pouco conhecida. Phos4Cycle é uma oportunidade de aplicar tecnologia de ponta na monitorização remota da água, analisando parâmetros físico-químicos e biológicos através de imagens de superfície, bem como a monitorização ambiental de micro poluentes micro e poluentes inorgânicos.

PreDisc

Modelo inovador para a prevenção da dependência em idosos: do hospital para as áreas rurais
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.5 (...) Acesso aos cuidados de saúde /sistemas de saúde
A Europa está cada vez mais envelhecida,o território SUDOE,e em particular as áreas rurais,têm a maior percentagem de idosos e despovoamento.O envelhecimento traz fragilidade e incapacidade,associadas ao aumento do uso de recursos de saúde e admissões hospitalares.França,Espanha,Portugal e Andorra têm diferentes modelos assistenciais para o paciente idoso com base na prevenção do aparecimento de doenças e fragilidades físicas,especialmente os muito idosos,com pontos fortes e áreas a melhorar.Os principais objetivos permitirão a implementação de um modelo que reduzirá o desequilíbrio entre as regiões na gestão da prevenção das fragilidades a nível hospitalar e na transição do paciente para os cuidados Saúde Primários(CSP)e seu ambiente familiar,estabelecendo um modelo integrado e coordenado entre profissionais,facilitado pelo uso da tecnologia e pela promoção do envelhecimento saudável,com o objetivo de melhorar os cuidados com a saúde,fortalecendo a resiliência dos sistemas de saúde.A cooperação permitirá o desenvolvimento conjunto de novas estratégias de cuidados integrados que promova um melhor monitoramento e coordenação dos cuidados,padronizando protocolos e metodologias.Assim i)um ensaio clínico multicêntrico será realizado para mostrar os benefícios de um programa de treino durante a hospitalização para prevenir ou reduzir a fragilidade ii)facilitará a continuidade do programa e a transição para os CSP do utente que foi hospitalizado e daqueles que são vistos na consulta da especialidade aos ambientes rurais, implementando tecnologia inovadora,iii)Disseminar o modelo de envelhecimento ativo em ambientes rurais e promover a igualdade de acesso aos cuidados de saúde por meio de modelos de coordenação entre profissionais,evitando viagens e admissões desnecessárias.O PreDisc é inovador porque desenvolve um novo modelo de cuidados que melhorará a qualidade de vida das pessoas idosas e promoverá o acesso igualitário à saúde,a baixo custo com a participação de diferentes atores-chave,como hospitais de referência, equipes de CSP e outras entidades sociais a fim de alcançar a sustentabilidade.

REMAIN

robotic REMAnufacturing of deformable INdustrial products
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
Uma grande parte do tecido industrial na área SUDOE pertence a sectores que são tradicionalmente de manufactura, caracterizados por pequenas e médias empresas que têm um baixo nível tecnológico nos seus processos de produção, devido especialmente ao elevado custo associado ao desenvolvimento e implementação de novas tecnologias. Além disso, estes sectores são responsáveis pelo fabrico de uma variedade de produtos de uso comum que têm um ciclo de vida curto, quer porque a aquisição de um novo produto é relativamente de baixo custo, quer devido às dificuldades encontradas na sua reparação ou renovação. Isto resulta numa enorme quantidade de resíduos que são eliminados de forma inadequada. Neste sentido, este projecto procurará introduzir o processo de REMANUFACTURA como parte do modelo empresarial associado a estas indústrias, salientando a importância do design para o desenvolvimento de produtos que são mais facilmente reparados e/ou reciclados. Para este fim, serão desenvolvidas novas ferramentas para detectar danos em produtos usados e um sistema multirobot capaz de os desmontar e prepará-los para a sua reintrodução nas cadeias de fabrico. Em suma, o objectivo é tornar a reparação de um produto viável, como alternativa à compra de um novo e/ou ao descarte do usado. Por outro lado, os avanços no desenvolvimento deste sistema REMANUFACTURANTE representarão benefícios para as indústrias, que poderão ter uma nova linha de negócio que contempla a redução da utilização de matérias-primas; também para os consumidores, que terão mais facilidade em reparar os seus produtos usados e/ou comprar bens usados a um custo reduzido e, sobretudo, para o ambiente devido à redução dos resíduos produzidos e à redução da pressão sobre os recursos naturais, favorecendo a vida e a dinâmica ecossistémica do planeta.

RePo-SUDOE

Drug Repurposing para o Desenvolvimento Efetivo e Acelerado de Medicamentos no Espaço SUDOE
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
Pode o espaço SUDOE ser reconhecido como de excelência na área de “drug repurposing”? Atualmente, o desenvolvimento de novos medicamentos tem elevadas taxas de insucesso, custos e morosidade. Isto justifica a emergência do drug repurposing, permitindo novas indicações terapêuticas para fármacos já? disponíveis no mercado, com benefício para a indústria farmacêutica, sociedade, e para os doentes. O projeto RePo-SUDOE tem como objetivo principal desenvolver e divulgar tecnologias para drug repurposing, tornando o espaço SUDOE mais competitivo nesta área de I&D, impulsionando a atividade da indústria biofarmacêutica e fixando recursos humanos qualificados. Este desígnio será? atingido através de 3 objetivos específicos: 1) Impulsionar o conhecimento científico e difundir a tecnologia para o drug repurposing junto de agentes públicos e privados, colocando os grupos e centros de I&D do espaço SUDOE ao mais alto nível de excelência Europeia nesta área de I&D; 2) Potenciar a colaboração multidisciplinar e identificar oportunidades e iniciativas inovadoras no território SUDOE para o drug repurposing, através da implementação de uma rede transnacional. Será? criada uma base de dados com informação de alvos terapêuticos e fármacos com atividade biológica sobre os mesmos. Como caso de estudo principal, serão desenvolvidas metodologias de drug repurposing para o tratamento do cancro; 3) Criar um protótipo de sala de visualização tridimensional (3D) de sistemas biológicos, que funcionara? como piloto no território SUDOE. Será? um espaço com tecnologia de realidade virtual e realidade aumentada que permita a visualização 3D de alvos terapêuticos e a sua interação com fármacos, de uma forma interativa e pedagógica, dedicada a jovens estudantes e investigadores de áreas STEAM. Este projeto agrega, pela 1ª vez, parceiros de diferentes regiões SUDOE, e de diferentes áreas da cadeia de valor do desenvolvimento de fármacos, num projeto comum de drug repurposing. O RePo-SUDOE colocará ao serviço da sociedade, informação científica de fácil consulta e acesso aberto, e tecnologias de visualização determinantes para a afirmação da área de drug repurposing no espaço SUDOE.

RESINSURF

Towards more RESilient, sustainable, competitive and INtelligent electrochemical SURFace treatments
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
O projeto RESINSURF responde à necessidade de aplicar tecnologias de superfície alternativas através da investigação e da geração de uma estratégia de ação homogénea para um problema comum no território SUDOE. Contribui para a modernização tecnológica do setor do tratamento de superfícies e a sua transição para la digitalização, em resposta ao Regulamento (CE) nº 1907/2006 REACH, Registo, Avaliação, Autorização e Restrição de Substâncias Químicas e Misturas. Contribui para o desenvolvimento de métodos específicos de monitorização das linhas de processamento, tornando-as mais sustentáveis, competitivas e inteligentes. Oferece alternativas às tecnologias atuais, que têm um impacto negativo na saúde dos trabalhadores e no ambiente. O desenvolvimento, avaliação e transferência de novas tecnologias de processamento eletroquímico e técnicas avançadas de monitorização de processos e caracterização de superfícies para os setores dos transportes, produção de energia, construção e fabrico de ferramentas estimularão o crescimento inteligente e sustentável das empresas e da indústria na região SUDOE O desenvolvimento e adoção da estratégia conjunta SC inclui uma linha de ação orientada para a transferência de conhecimentos, centra-se no crescimento populacional, oferece formação para estudantes e profissionais e aplica as soluções nas empresas da região. Os projetos-piloto em FR e ES irão gerar conhecimentos e soluções. A capitalização do conhecimento existente na área é a fonte de retorno para os profissionais do setor, do meio académico e das gerações futuras. Aborda diretamente o problema do despovoamento das zonas rurais. A experiência do consórcio e a aplicação direta das soluções nos territórios fazem do RESINSURF um projeto ambicioso e inovador no espaço SUDOE, de SUDOE para SUDOE.

REVITAL

Revitalização socioeconómica de zonas escassamente povoadas através de telecuidados clínicos
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.5 (...) Acesso aos cuidados de saúde /sistemas de saúde
O SUDOE é um território demograficamente envelhecido e as suas zonas rurais interiores estão a viver uma situação de despovoamento crescente que está a levar ao seu desaparecimento. Exemplos destes territórios com baixa densidade populacional são as regiões de Castilla y León (Espanha), Beira Baixa (Portugal) e Pays Basque (França). A pandemia por COVID-19 tonou notório os déficits ao nível dos de cuidados assistenciais e de saúde para as pessoas destas zonas rurais, especialmente os idosos e as pessoas dependentes. Por outro lado, a dificuldade de encontrar nichos de mercado em que desenvolver uma actividade económica sustentável leva os jovens e profissionais qualificados a partir para as cidades, enfraquecendo a competitividade e desenvolvimento rural do interior do SUDOE. O desafio e a necessidade comum destas zonas rurais interiores é revitalizar o seu tecido económico e social, promovendo oportunidades de emprego que resolvam os desafios sociais na perspectiva da inovação, combinando as necessidades sociais com as oportunidades de desenvolvimento. A REVITAL procura cobrir a necessidade de fornecer cuidados de saúde especializados e serviços de reabilitação física e neurológica (especialmente para pessoas dependentes e idosas), utilizando ferramentas tecnológicas que permitam oferecer serviços de tele-assistência e telerreabilitação, o que também ajudará a criar emprego qualificado e a estabelecer novas populações que impulsionarão a economia rural. O projecto tem uma clara orientação estratégica no sentido de reforçar a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico através da inovação social e do desenvolvimento endógeno, diminuindo assim assimetrias. Os desafios e necessidades a cobrir são claros: responder ao despovoamento e envelhecimento das zonas rurais interiores através do estabelecimento de uma nova população com formação social e de cuidados de saúde, prevenir a migração de pessoas idosas e dependentes para zonas urbanas para aceder a serviços clínicos avançados, e desenvolver sistemas de produção sustentáveis baseados em tecnologias de tele-assistência e telerreabilitação, respondendo a necessidades sociais que não estão cobertas.

ROBOTA-SUDOE

Robótica, Automação e Digitalização como Motores de Competitividade e Crescimento das PME
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
O desafio comum que o projeto aborda prende-se com a modernização tecnológica dos sectores económicos do espaço SUDOE em particular da indústria agroalimentar e dos plásticos contribuindo para a transferência de conhecimento e inovação para os territórios menos desenvolvidos e para os sectores tradicionais e artesanais, onde a automação tradicional não pode ser aplicada. O projeto tem como objetivo principal melhorar a competitividade e potenciar o crescimento das PMEs, utilizando soluções de robótica colaborativa que respondam aos desafios endógenos e garantam o respeito pelo ambiente. O projeto pretende colocar a inovação ao serviço dos atores territoriais para melhorar a qualidade de vida e aumentar o potencial e a atratividade de todo o espaço SUDOE em particular das zonas rurais. As principais realizações esperadas incluem a criação de uma rede entre entidades do SCT focada na partilha de conhecimento e na transferência de tecnologia para as PME, a criação de novas técnicas de controlo de robôs colaborativos, aplicação de abordagens inovadoras e diferenciadoras de manipulação de objetos, novas soluções tecnológicas para apoiar os trabalhadores em tarefas exaustivas, a implementação dessas técnicas, em ambientes de produção reais, como o corte de carne, o embalamento de frutas e a montagem de bonecos, e a criação de três "living labs" para demonstração das soluções desenvolvidas e sua promoção juntos dos demais sectores e PME presentes nos territórios. A cooperação entre os centros de inovação e os territórios será crucial para contribuir para o reequilíbrio territorial, promover a transferência da inovação e reforçar a atividade económica nestes territórios. A cooperação transnacional é fundamental uma vez que os sectores abrangidos e os desafios enfrentados são semelhantes, contudo o nível de conhecimento e as competências das diferentes entidades são complementares pelo que o trabalho em conjunto levará a soluções mais eficazes e inovadoras. O aspeto inovador do projeto prende-se com a aplicação de tecnologias inovadoras e técnicas avançadas de IA no desenvolvimento de soluções de robótica colaborativa adaptadas a sectores tradicionais e artesanais.

RURAL TRANSITION LABS

Rural Transition Labs: Abordagem inovadora e sistêmica de adaptação às mudanças climáticas
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
No Sudoe rural o aumento das temperaturas, das secas, da escassez de água e dos conflitos pelo uso da terra, ameaçam as produções agrícolas, a solidez das infraestruturas e a qualidade de vida dos cidadãos rurais, contribuindo para o despovoamento rural. Essas vulnerabilidades também afetam as áreas urbanas: segurança alimentar, soberania energética ou expansão urbana dependem da capacidade das áreas rurais de se adaptarem às mudanças climáticas. As zonas rurais têm um papel fundamental a desempenhar na Transição Verde da Europa e devem ser reconhecidas. As comunidades rurais do Sudoe também enfrentam desafios semelhantes relacionados com as práticas democráticas e a dificuldade de passar do planejamento à implementação. O RURAL TRANSITION LABS pretende estabelecer comunidades rurais como centros de inovação, experimentando novas soluções participativas e baseadas em ecossistemas no sentido de aumentar a resiliência rural e a capacidade de adaptação às mudanças climáticas. Uma estratégia compartilhada e um plano de ação serão desenvolvidos para a implantação dos Labs, contando com o conhecimento e experiência de cada parceiro (diálogo territorial, ação sobre mudanças climáticas, SIG, conhecimento dos ecossistemas). As 3 comunidades-piloto irão implementar a estratégia, capacitando-se na condução da mudança sistémica, e desenvolverão projetos-piloto abordando os desafios compartilhados da adaptação no Sudoe. Os projetos-piloto irão experimentar soluções concretas e demonstrar a relevância dos Labs como motores de inovação para a adaptação às mudanças climáticas e resiliência nas áreas rurais do Sudoe. Estas soluções serão recolhidas num catálogo e transferidas para outras regiões do Sudoe. A inovação do projeto reside na forma como assume a dimensão territorial da adaptação às alterações climáticas. Afastando-se da abordagem usual de silo, o projeto se baseia em uma abordagem sistêmica, na qual os atores definem uma visão compartilhada e assumem um papel ativo em alcançá-la. Isso significa desenvolver novas formas de cooperação que serão facilitadas por uma ferramentaSIG inovadora para promover sinergias, estimular a ação e o envolvimento da comunidade em geral

SCAIRA

Criação e Aceleração de Start-ups em Áreas Rurais para fomentar a Indústria sustentável
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.4 (...) Especialização inteligente / Transição industrial / Empreendedorismo
Apesar de a inovação ser a principal aposta da Indústria para enfrentar a crise ambiental a maioria das empresas carece ainda de soluções novas e ágeis, adaptadas aos desafios atuais e futuros para serem implementadas eficientemente nas fábricas. Além disso o facto de a inovação nas organizações empresariais ser dificultada pela complexidade e duração da sua implementação, leva a que o panorama da inovação esteja a transferir se cada vez mais para as start-ups. Este cenário é bem patente no território SUDOE, onde a capacidade de inovação tem de ser melhorada, em concreto nos ecossistemas industriais. De modo a enfrentar as barreiras à inovação, o projeto SCAIRA visa desenvolver um programa de formação para o apoio à criação e aceleração de start-ups em territórios rurais, para promover a transição verde da indústria, com destaque nos setores Aeroespacial e Automóvel. Historicamente, estes sectores têm uma forte implantação no território SUDOE, com um número significativo de empresas a serem alvo nesta transição. O SCAIRA pretende criar e atrair novos ativos económicos para as zonas rurais, proporcionando simultaneamente respostas inovadoras na indústria verde e reduzindo a sua pegada ambiental.O programa de formação SCAIRA será desenvolvido por 5 incubadoras localizadas em zonas rurais de Portugal, Espanha e França, das quais 2 possuem infraestruturas de investigação, proporcionando conhecimentos específicos ao projeto e partilhando as melhores práticas.Os desafios industriais, territoriais e ambientais serão identificados e definidos por 5 clusters diferentes, com a Airbus Atlantic e outras empresas dos ecossistemas regionais dos parceiros. Estas empresas participarão também no programa de formação, trazendo os seu know-how acerca da produção, pesquisa de mercado e na identificação de clientes e investidores. Como resultado do projeto serão criadas e aceleradas 45 startups que beneficiarão de um apoio de longo prazo da incubadora parceira da sua região e participação nos clusters respetivos. O projeto SCAIRA irá restaurar a atratividade da indústria e das zonas rurais, aumentando também a cultura empreendedora e o bem-estar no trabalho dos setores produtivos.

SenForFire

Rede de sensores sem fios de baixo custo para prevenção e deteção precoce de incêndios florestais
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.1 (...) Investigação / Inovação
O projeto irá demonstrar a viabilidade de redes de sensores sem fios (WSN - Wireless Sensor Networks) de baixo custo para aplicação em sistemas de monitorização e alerta precoce de incêndios florestais. Dados meteorológicos e imagens de satélite da superfície terrestre (deteção remota) com baixa resolução espacial e temporal e de baixa fiabilidade (alta taxa de falsos positivos), são atualmente utilizados para avaliar o risco e detetar os incêndios florestais no Sudoe. Além disso, o equipamento meteorológico e de teledetecção é muito dispendioso. As WSNs utilizam módulos eletrónicos com sensores que medem em tempo real, os parâmetros meteorológicos e ambientais envolvidos nos riscos de incêndio florestal. Também estão dotados de computação e comunicação sem fios, ambos em nuvem. As WSNs são adaptáveis às características das áreas de risco, fáceis de implantar e escaláveis. São uma ferramenta de proximidade que complementa a deteção remota e facilita a gestão corresponsável do risco pelos municípios, comunidades locais e habitantes das zonas de risco. O Projeto realizará ações-piloto em áreas do Sudoe com diferentes climas, orografia e vegetação com objetivos de prevenção e/ou deteção precoce. Desenvolverá também um Plano de Ação para a adoção de WSN em municípios para fins de monitorização meteorológica e ambiental e um Plano de Ação para a formação de profissionais em WSN para a gestão de riscos ambientais. As WSN integram múltiplas tecnologias com níveis desiguais de desenvolvimento nos diferentes países do Sudeste, tornando a cooperação transnacional essencial para a realização de WSN, Ações-Piloto e Planos de Ação. Estas realizações beneficiarão os municípios (tecnologia inovadora para uma gestão eficaz dos riscos ambientais), os proprietários e os utilizadores de terras (proteção de culturas, pastagens, florestas e gado), as PMEs (produtos e serviços de alto valor acrescentado e profissionais qualificados), os jovens (trabalho de qualidade e empreendedorismo) e a população em geral (proteção da propriedade, saúde, infraestruturas, património natural e cultural) do Sudoe rural.

SHAREDH2 – SUDOE

Hidrogénio renovável: solução para o armazenamento flexível e distribuído de energia em LEC
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.7 (...) Proteção e preservação da natureza / biodiversidade / infraestruturas verdes
A ambição da Europa de alcançar uma economia neutra para o clima até 2050 reacendeu o interesse pelo hidrogénio renovável, que está agora a emergir como um dos principais actores na consecução do objectivo de uma economia sem emissões. Neste contexto, a SharedH2-Sudoe está consciente dos desequilíbrios territoriais comuns e, por sua vez, da capacidade de geração de energia renovável do território do Sudoe. Como beneficiários, as organizações participantes decidiram, por conseguinte, reunir os seus conhecimentos e experiência a fim de reduzir o desequilíbrio urbano-rural entre os três países participantes através de uma acção de colaboração e de uma abordagem transnacional. O principal objectivo do projecto é promover e validar a utilização de hidrogénio renovável como solução flexível e distribuída de armazenamento de energia em comunidades energéticas locais, servindo como alternativa para a capacitação de áreas rurais estratégicas através do desenvolvimento de novas actividades económicas sustentáveis, a mitigação dos impactos ambientais e a melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes. SharedH2-Sudoe aprofundará o conhecimento técnico e científico do sector e testará soluções inovadoras desenvolvidas conjuntamente, através do desenvolvimento de acções-piloto para a geração de hidrogénio renovável a partir de energia fotovoltaica para a sua implementação em sectores como o dos transportes. Estas experiências-piloto serão levadas a cabo em Espanha, Portugal e França. Além disso, será desenvolvida uma estratégia conjunta para a revitalização social e económica das zonas rurais, contribuindo para reter e mesmo atrair a população, com o hidrogénio renovável integrado nas comunidades energéticas locais como um instrumento para atingir este objectivo. De forma complementar, o projecto lançará as bases estratégicas para um roteiro na economia europeia baseado nas energias renováveis, especialmente no hidrogénio renovável, e contribuirá para aumentar o valor acrescentado da transferência das soluções encontradas para as políticas públicas sectoriais no futuro.

SMART GREEN WATER

Diffusion of Innovative Solutions & Capacity Building for Smart Irrigation
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 2 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação e transformação dos sectores produtivos
Objectivo: OE 1.4 (...) Especialização inteligente / Transição industrial / Empreendedorismo
Um dos grandes desafios da agricultura no espaço SUDOE é fazer face às consequências das alterações climáticas, em particular os períodos de seca, cada vez mais frequentes. A disponibilidade de água doce será cada vez menor e continuará a diminuir, pelo que o setor agrícola, altamente dependente dos recursos hídricos, é particularmente vulnerável. Assim, devem ser criadas condições para promover a resiliência da agricultura, melhorando a utilização de um recurso cada vez mais escasso. Para enfrentar este desafio, a transformação digital da agricultura é fundamental. Para promover esta transição, os parceiros do projeto SMART GREEN WATER propõem a implementação de estratégias de especialização inteligente (S3) para um setor agrícola mais sustentável assente na melhoria das capacidades digitais do setor, reforçando assim o tecido socioeconómico das zonas rurais. Devido à cooperação transnacional, os parceiros do projeto tirarão partido de diversos contextos: regiões de Espanha e Portugal onde a escassez histórica de água favoreceu a gestão coletiva, enquanto que, no sudoeste de França, a rega é recente e individual. As soluções propostas, testadas através de ações piloto e transferíveis, para diferentes contextos, permitirão identificar as melhores ferramentas para atender às necessidades dos agricultores. As tecnologias inovadoras de otimização da rega serão consolidadas e disseminadas através da experimentação nas diferentes regiões parceiras. Em resumo, as ferramentas digitais ficarão mais acessíveis, através de um programa de formação transnacional e à ligação entre empresas inovadoras e o setor agrícola. A estratégia transnacional desenvolvida e validada pelas soluções propostas, permitirá estabelecer ligações entre ecossistemas de inovação e a administração pública com o setor agrícola como utilizador final. Como resultado da transição para a digitalização teremos um setor agrícola mais eficiente na utilização do recurso água e territórios rurais mais resilientes e preparados para os efeitos das alterações climáticas.

SocialForest

Luta global contra o impacto das alterações climáticas nas zonas florestais do espaço SUDOE
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
Os sistemas florestais no SUDOE são afetados por riscos climáticos específicos, como secas, pragas, incêndios, risco de desertificação e perda de biodiversidade. Estas são agravadas por outras circunstâncias socioeconómicas, como o abandono rural e a perda da paisagem no mosaico das montanhas, a falta de gestão das massas florestais pelos proprietários públicos e privados, os problemas de comercialização, a perda de competitividade e a falta de mão de obra nos sistemas agroflorestais. Embora os riscos associados ao clima difiram em intensidade e frequência entre regiões, para todos os territórios do projeto (Região de Múrcia, Castela-Mancha, Castela e Leão, Alentejo, Occitânia e Nueva Aquitânia), estes riscos apresentam desafios em termos agroflorestais e de biodiversidade associada, gestão florestal e desenvolvimento socioeconómico. O objetivo da SocialForest é contribuir para a adaptação climática em Espanha (Castilla La-Mancha, Castela e Leão, Região de Múrcia), França (Occitânia e Nueva Aquitânia) e Portugal (Alentejo), através do desenvolvimento de uma estratégia global de gestão florestal, que aumente a resiliência às alterações climáticas e, ao mesmo tempo, reforce o desenvolvimento socioeconómico das zonas rurais. A viabilidade das medidas selecionadas será planeada e demonstrada através do desenvolvimento de 7 ações-piloto. As ações-piloto abordarão tanto os riscos biofísicos como os riscos sociais do território e serão concebidas através da cooperação transnacional. Serão implementadas através da utilização combinada de metodologias de ponta, como a teledeteção, o software de apoio à decisão CAFE (quantificador de serviços ecossistémicos florestais), sensores de refletiometria e estratégias para reafetar os proprietários exilados ao seu património florestal (estratégia de comercialização digital para disseminar e promover o desenvolvimento de uma gestão florestal adaptativa).

SOLLAGUA

SOluções baseadas na natureza e Livign Labs para reutilização da água em meio rural
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.5 (...) Acesso à água / gestão sustentável da água
SOLLAGUA visa promover soluções baseadas na natureza (SBN) para a reutilização da água na região SUDOE, que enfrenta desafios significativos relacionados com a escassez de água devido a um ambiente semi-árido, alterações climáticas (AC) e demografia crescente. O projecto visa enfrentar estes desafios comuns, implementando estratégias de gestão sustentável da água em 3 comunidades rurais em Portugal, Espanha e França. O objectivo é proporcionar um abastecimento de água mais resiliente, oferecendo simultaneamente co-benefícios como a mitigação e adaptação às AC. O projecto irá mudar as práticas atuais, encorajando a adopção de tecnologias verdes/inovadoras nos concursos públicos. Estas mudanças promovem uma economia circular baseada na reutilização das águas residuais locais, proporcionando ao mesmo tempo uma nova fonte de água e uma alternativa às instalações “end of pipe”. Esta transição é adequada para zonas rurais que são geralmente menos povoadas, com uma economia mais moderada do que as zonas urbanas. As realizações do projeto são o reforço da capacidade das SBN para a reutilização de águas residuais domésticas e a criação de 3 locais de demonstração. Estes locais de demonstração (localização, solução, capacidades, concepção) serão implementados através de uma nova estratégia de um Laboratório Vivo em cada local orientado para a água e SBN (NB-WoLL) e o seu plano de acção. Este NB-WoLL levará à cooperação entre governo, universidades, empresas e utilizadores num ambiente de inovação aberta. A estratégia NB-WoLL irá (i) desenvolver a co-criação, (ii) ser orientada para a aplicação de SBN com (iii) adaptação às necessidades de água. O plano de acção mobiliza ferramentas sobre os custos e benefícios de SBN. Isto ajudará a sensibilizar e a mostrar a viabilidade destas inovações aos utilizadores públicos/privados. O projecto irá beneficiar todos os atores envolvidos na gestão da água. A cooperação transnacional permite a partilha de experiências e lições aprendidas com o projecto e promove a sua replicação. Esta estratégia garantirá também o alinhamento dos resultados com o quadro legal da UE para a reutilização.

STOP IATRO

Start Therapeutic OPtimisazion and IATRogenesis prevention on Older People
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.5 (...) Acesso aos cuidados de saúde /sistemas de saúde
O projeto STOP-IATRO reúne um consórcio de 6 entidades em 3 países europeus. O desafio consiste em permitir aos idosos envelhecerem com boa saúde e beneficiarem de cuidados relevantes e o menos prejudiciais possível para a sua autonomia. O projeto visa assegurar que a cadeia humana de profissionais envolvidos na realização de procedimentos de cuidados ou no controlo da gestão da terapêutica de doentes idosos seja sensibilizada para os riscos associados à iatrogenia (consequências prejudiciais dos cuidados de saúde para a saúde de um indivíduo). O principal objetivo do projeto é implementar estratégias para prevenir complicações associadas aos cuidados de saúde que possam levar a uma perda de autonomia dos idosos, incidindo particularmente nas recomendações da OMS (programa ICOPE). De facto, a pandemia COVID afetou particularmente as populações em situação de fragilidade, incluindo os idosos. Os efeitos negativos são principalmente causados pelo aumento das barreiras ao acesso aos serviços de saúde essenciais e pela deterioração da qualidade dos cuidados prestados aos doentes. Apesar da existência de recomendações nacionais sobre a prevenção de reações adversas aos medicamentos nos territórios do consórcio, tem sido observado um claro retrocesso na sua implementação. Estas recomendações, na sua maioria estabelecidas antes da crise da COVID, já não têm em conta as atuais limitações exercidas sobre os intervenientes nos hospitais ou nos cuidados de saúde primários. O nosso projeto está organizado em várias eixos: Identificar os obstáculos e facilitadores para a implementação de recomendações relacionadas com a prevenção da dependência iatrogénica, estabelecer um estado de conhecimento dos profissionais identificados na cadeia de prestação de cuidados de saúde; Oferecer uma estratégia territorial que quebre imediatamente as barreiras entre a comunidade e o hospital e que seja multidisciplinar, confiar nos métodos de inteligência coletiva e social; Realização de planos de formação sobre a prevenção da dependência iatrogénica; Implementar de ações-piloto identificadas conjuntamente pelos atores territoriais com profissionais de saúde e pacientes.

TARGET

TerritoriAl stRateGy for watEr scarciTy
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.5 (...) Acesso à água / gestão sustentável da água
Os recursos de água doce na região SUDOE estão sob pressão antrópica crescente, levando à escassez de água e a problemas de qualidade, conflitos a nível de utilização e risco para os ambientes naturais. É essencial uma mudança de paradigma para enfrentar a crescente escassez de recursos hídricos. A adoção de práticas e organizações através da definição de estratégias de gestão concertada e plurianual, garantirá o necessário acesso à água para garantir a vida dos ecossistemas e o desenvolvimento económico e social do território. Para responder a este desafio, os parceiros do projeto TARGET identificaram uma necessidade e uma oportunidade de cooperação, integrando a água não convencional na gestão local da água. O objetivo é promover, com base em análises prospetivas, o desenvolvimento e a implementação de uma estratégia de planeamento territorial para a gestão sustentável da água e a prevenção de situações de crise decorrentes da sua escassez. Esta estratégia permitirá o desenvolvimento de planos de ação integrando soluções para a utilização de água não convencional, incluindo a reutilização de águas residuais tratadas (REUT). As soluções, testadas através de projetos de demonstração, procurarão melhorar a governança da água, fomentar a aceitabilidade social, encontrar modelos de negócio inovadores e abordar questões de qualidade relacionadas com contaminantes emergentes. Os parceiros do projeto beneficiam da experiência de Espanha em REUT, o país da UE que reutiliza mais água; da longa experiência de França na governança da água e da recente experiência de Portugal na produção de agua, para cumprir os requisitos de qualidade para reutilização. As experiências e pontos de vista partilhados permitirão estabelecer sinergias a fim de propor as soluções mais adequadas para cada região e, assim, uma estratégia de planeamento para uma gestão sustentável da água e a prevenção da escassez de água útil para todos. O projeto TARGET irá assim aumentar as capacidades estratégicas e operacionais dos atores envolvidos na gestão da água no território SUDOE.

ThermEcoWat

Fortalecer a resiliência dos ecossistemas ligados à água termal
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.5 (...) Acesso à água / gestão sustentável da água
Os sistemas de observação climática classificaram 2020, 2022, 2019, 2015 e 2014 como os cinco anos mais quentes nas últimas quatro décadas na Europa. No SUDOE, 2022 foi o ano mais quente desde 1950. Os dados sobre a qualidade das águas subterrâneas, a vulnerabilidade às alterações climáticas e a capacidade de adaptação dos territórios são heterogéneos, contribuindo para agravar a clivagem económica. É provável que os movimentos migratórios amplifiquem a pressão sobre os recursos hídricos e a economia. O projeto ThermEcoWat aposta na recuperação e na resiliência do frágil ecossistema das nascentes termais, cuja utilização é fundamental para a economia. A exploração das propriedades das águas termais está na origem do desenvolvimento de muitas cidades. O consórcio ThermEcoWat considera que este património natural deve ser preservado antecipando tensões futuras em pequenas comunidades, onde as dificuldades na economia agrícola, devido ao clima, podem ser atenuadas pela indústria do turismo sustentável e energia verde. A diminuição da precipitação a longo prazo prevista no SUDOE pode alterar as propriedades naturais das águas termais, afetando o seu ecossistema antropogénico. Não existem dados que avaliem o impacto das mudanças climáticas, nem métodos de estratégia de adaptação para antecipar suas consequências socioeconômicas. A energia térmica poderia ser melhor aproveitada. Tecnologias que usam recursos geotérmicos de baixa temperatura e armazenamento de calor podem ajudar a desenvolver uma economia de baixo carbono baseada em fontes termais sem comprometer seu uso atual. As águas quentes ecológicas do SUDOE são uma energia renovável sem os inconvenientes da energia geotérmica profunda. O projeto ThermEcoWat visa produzir ações transversais entre cientistas, autoridades públicas e atores económicos de forma a fornecer ferramentas de governação colaborativa para uma melhor coordenação na utilização das nascentes termais estimulando a valorização dos recursos endógenos

Ultreia_Sudoe

Ativação dos recursos culturais e naturais nos Caminhos de Santiago, no Sudoeste Europeu
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 3 - Promover a coesão social e o equilíbrio territorial e demográfico no Sudoe através da inovação social, valorização do património e serviços
Objectivo: OE 4.6 (...) Cultura/Turismo Sustentável
O desafio de Ultreia_Sudoe é promover o turismo interior, ativar as zonas rurais através da valorização dos recursos naturais e culturais, especialmente as tradições agroalimentares e o artesanato, ligados ao Caminho de Santiago (CaS). O objetivo é gerar uma estratégia partilhada do CaS Sudoe para a valorização dos recursos naturais e culturais tangíveis e intangíveis, bem como da capacidade de produção artesanal, criativa e agroalimentar, de modo a aproximá-los dos turistas e peregrinos e assegurar um turismo respeitoso, consciente e autêntico e um desenvolvimento económico e social sustentável do CaS. O impacto de Ultreia_Sudoe será um território rural mais ativo, com mais possibilidades de sustentar a população e impulsionar o empreendedorismo nos sectores do turismo e da produção criativa e artesanal. O projeto beneficiará artesãos e produtores locais, promovendo os seus produtos; turistas e peregrinos, que receberão informações valiosas sobre produtos e serviços locais; administrações e empresários da hotelaria, que terão informações sobre os fluxos de visitantes. Isto será conseguido através de projetos piloto de Hubs locais, bases de dados geolocalizadas, sistemas de gestão de fluxos e vitrinas físicas e virtuais. O foco é a colaboração de múltiplos intervenientes nos Hubs, a promoção da diversidade da produção local, a transformação digital da gestão do turismo no CaS e a experiência de peregrinos e turistas. Para gerar uma estratégia CaS sustentável no Sudoe é necessária uma cooperação transnacional, com uma visão a longo prazo, das entidades que promovem o CaS e representam as principais partes interessadas. Procura-se preservar os valores de autenticidade e integridade reconhecidos pela Unesco, evitando a homogeneização e industrialização turística, a fim de oferecer uma experiência atrativa para peregrinos e turistas. A inovação reside na combinação da cooperação transnacional multi-stakeholder, a ativação de recursos endógenos e a digitalização da peregrinação e do turismo CaS

USE4FOREST

Estratégia para a prevenção de incêndios no Sudoe através da melhoria dos espaços florestais
Período: 2021-2027
Estado: Em curso
Prioridades: 1 - Preservar o capital natural e reforçar a adaptação às alterações climáticas no Sudoe
Objectivo: OE 2.4 (...) Adaptação às alterações climáticas / Prevenção dos riscos
Na última década (2012-2022), os países do SUDOE sofreram um elevado número de incêndios, com uma média anual de 222 em Espanha, 213 em Portugal e 105 em França, situando-se entre os 5 países com o maior número de incêndios na UE (EFFIS, European Forest Fire Information System). O facto de nos últimos 6 anos terem ocorrido 3 das piores épocas de incêndios na UE demonstra a tendência ascendente, apontada pelos especialistas e devida, em parte, aos efeitos das alterações climáticas, uma situação agravada na área do SUDOE pelo abandono progressivo das zonas rurais e a consequente extinção das atividades produtivas tradicionalmente ligadas à silvicultura. Face a este desafio, é crucial adotar medidas preventivas adequadas às características do sudoeste europeu (crise demográfica, abundância de massa florestal, aumento progressivo dos extremos climáticos), cujo sucesso dependerá quer do conhecimento das condições específicas quer da demonstração in situ da eficácia de instrumentos inovadores, potencialmente transferíveis para outras zonas afetadas pelo mesmo problema. Neste contexto, o USE4FOREST propõe uma estratégia de prevenção de incêndios na região SUDOE através da melhoria das áreas florestais, realizada em 3 fases: conhecimento profundo das condições do problema; desenvolvimento, teste e demonstração, nos territórios participantes, de ferramentas inovadoras para a prevenção, gestão e antecipação de incêndios florestais; e a sua transferência e capitalização à escala do SUDOE. O USE4FOREST visa melhorar a capacidade de resposta das diferentes administrações, através da coordenação com organizações com vasta experiência em investigação e gestão florestal. A análise de diferentes variáveis, tais como o ambiente (vegetação, clima...) e os fatores antropogénicos (populações, culturas...), permitirá alcançar novas soluções e avaliar o seu impacto, eficácia e transferibilidade, a fim de desenvolver estratégias inteligentes de prevenção, nas áreas florestais de maior risco, tendo em conta os seus recursos naturais, socioeconómicos, tecnológicos e de gestão, para responder a esta necessidade de uma forma abrangente.