Procurar
Close this search box.

eSudoe
2021-2027

Convocatoria proyecto 27: 1ª convocatória

Realização de experiências-piloto temáticas sobre a Estratégia GT2 em Espanha, Portugal e França

O projeto HITTS irá desenvolver 1 experiência-piloto da Estratégia desenvolvida no GT2, com diferentes focos temáticos em cada país (1 em Espanha, 1 em França e 1 em Portugal). Todas as ações-piloto partilharão elementos comuns e outros elementos distintivos, em função das características de cada território, do seu potencial e das suas necessidades e da existência de um quadro de referência nacional diferente. Cada território testará elementos comuns da estratégia necessários para alcançar o desenvolvimento socioeconómico desejado. A este respeito, a parte comum testada por todos os parceiros incluirá o desenvolvimento de um sistema de governação participativa (A3.1); conceção de um plano de ação que traduza a estratégia em medidas concretas (A3.2) e formação dos intervenientes locais (A3.3). A experiência-piloto temática será diferente em cada território: – Espanha (PP1, PP2, PP3) — Abordagem de utilização da riqueza adaptativa: promover, condicionar e adaptar o património cultural e natural para garantir o acesso universal a determinados elementos ou bens identificados. – França (PP7, PP8) — Mobilização de atores para a criação de atividades turísticas, artísticas e culturais para a revitalização do património cultural e natural de uma zona protegida comum. – Portugal (PP5,PP6) — Readaptação do património natural dos lagares e dotação de equipamento dos percursos pedestres de Montalegre. Estas ações serão muito importantes para o HITTS, uma vez que os elementos essenciais e comuns da estratégia podem ser testados em ambientes reais com suas singularidades e temas. Os resultados obtidos servirão para recolher melhorias a integrar na Estratégia com base nos aspetos testados no território SUDOE.

Leer más »

Projeto piloto do conceito Hub do Dinamização e Parada en el Camino

Conceção conjunta e definição de um projeto-piloto para testar o conceito de Hubs de Dinamização e Paradas en el Camino do CaS. O piloto será realizado em 5 territórios: 1 em Portugal, 3 em Espanha e 1 em França, para garantir a representatividade da área de colaboração Sudoe. Hub de dinamização: Grupo de trabalho para realizar, entre outros, o mapeamento dos principais agentes, o envolvimento dos principais stakeholders, uma análise estratégica, o desenvolvimento de metodologia e plano de trabalho, a medição de impacto, a recolha de lições aprendidas e modelos de replicabilidade para outros territórios. O Parada en el Camino será um local físico e virtual onde poderá provar, comprar e enviar produtos agroalimentares típicos, artesanais e criativos. Oferecerá informações culturais, turísticas, ambientais e de lazer de forma física e virtual, com conexões em rede, e coletará avaliações de produtos e serviços. Servirá de ponto de encontro entre os habitantes das zonas rurais e os visitantes e utilizadores das estradas. Este projeto-piloto basear-se-á na estratégia comum concebida em colaboração e a sua execução simultânea será acompanhada nos 5 territórios selecionados (A3.2 e A3.3). As informações obtidas com esta evolução serão utilizadas para a melhoria contínua da versão final da estratégia comum e do plano de ação.

Leer más »

Ensaios-piloto

As diferentes experiências-piloto estão estruturadas em três grupos, cada um identificado com um tema e conduzindo a uma solução: O primeiro grupo (digitalização) gerará uma solução em termos de digitalização da experiência de agroturismo (procura) e de melhoria da competitividade das empresas (oferta). – Novas tecnologias digitais (realidade mista e aumentada) para a criação de experiências imersivas de agroturismo (CDA24). – Sistema inteligente de gestão de dados (Smart Data) para melhorar a competitividade das empresas de agroturismo, melhorando o conhecimento do cliente e a subsequente segmentação de produtos e experiências turísticas. O segundo grupo (sustentabilidade ambiental) irá gerar uma solução para a valorização e diferenciação de produtos de agroturismo com baixo impacto ambiental: – Criação de itinerários turísticos orientados para o desenvolvimento sustentável e promoção de produtos agroalimentares km0 (CRTLO) e da ligação a figuras de proteção ambiental (produtos da Reserva da Biosfera, no caso da RBOV). – Criação de um passaporte digital de produtos com informação sobre a pegada ambiental, origem, certificações de qualidade, etc. (CIM VDL). O terceiro grupo (segmentação de públicos) irá gerar experiências inovadoras adaptadas a diferentes públicos, particularmente adequadas ao sector do agroturismo: – Experiências de agroturismo destinadas a públicos infantojuvenis de origem urbana (F. Avila), incluindo a colaboração em ofícios tradicionais. – Promoção de produtos agroalimentares junto dos caminhantes (CDA09), tanto no destino (Ariège) como na origem (concept store em Toulouse). – Conceção de circuitos agroturísticos para públicos familiares urbanos (SODEBUR), incluindo o património imaterial associado à vida rural tradicional. O projeto prevê, portanto, o desenvolvimento de um total de três ações-piloto no âmbito do RCO84.

Leer más »

Desenvolvimento de clusters de inovação sociocultural e de desenvolvimento sustentável

A ação-piloto do GT3 é a mais ambiciosa das três desenvolvidas no projeto, uma vez que se centra na definição de mecanismos eficazes de transferência de conhecimento para fazer do património cultural das paisagens de montanha uma alavanca de desenvolvimento para os territórios. A transferência é frequentemente considerada como a última etapa dos processos patrimoniais e muitas vezes não se concretiza, ou concretiza-se apenas de forma muito parcial e institucionalizada, o que acaba por gerar muitos equipamentos/recursos patrimoniais praticamente abandonados, sem qualquer utilização e exploração real, e que rapidamente se tornam obsoletos e se deterioram porque a população local e os atores territoriais não os conhecem verdadeiramente ou não os consideram como seus. Esta ação-piloto pretende dar resposta a este problema, invertendo-o completamente através de processos de inovação social. CULTUR-MONTS compromete-se a trabalhar a transferência do património desde o início do projeto, colocando as comunidades locais, as autoridades, as instituições e os atores territoriais (especialmente os económicos) como protagonistas e agentes ativos da mudança. O objetivo é testar a aplicação de métodos participativos, como o “caminho do impacto”, através da promoção de espaços formais (físicos ou virtuais) para reunir todos os atores envolvidos: os clusters de inovação sociocultural e de desenvolvimento sustentável. A ideia é que as comunidades locais expressem desde o início o impacto que esperam do projeto: o que gostariam de ver alcançado com o CULTUR-MONTS; e a partir daí, em conjunto com o consórcio, determinem quais são os resultados a alcançar e as melhores ferramentas para os alcançar.

Leer más »

Laboratórios de memória e oralidade para a salvaguarda e valorização do património imaterial

Ação-piloto articulada em 5 janelas de análise com o objetivo de promover experimentalmente laboratórios de memória para recuperar, preservar, valorizar e transmitir o património imaterial ligado às paisagens culturais de montanha. Os conhecimentos, as competências, as atividades e os ofícios tradicionais correm um risco crítico de desaparecimento nos ambientes de montanha devido ao forte impacto do envelhecimento da população, à crise demográfica e à falta de substituição geracional nas atividades de exploração da montanha, bem como à perda da transmissão intergeracional de todo o património oral que explica as lendas, as memórias coletivas, as tradições, os topónimos, as rotas de trânsito e as canções populares; um património humano imaterial, mas indispensável para a compreensão da dimensão cultural e patrimonial das paisagens de montanha, que é irrecuperável quando as vozes da população sénior são silenciadas. A ação-piloto incide também sobre uma lacuna histórica em relação ao património imaterial dos ambientes de montanha, especialmente em termos de pastoralismo e transumância: a invisibilidade das mulheres neste património. O projeto-piloto aborda claramente este problema com o objetivo de recuperar e reivindicar a tradição oral, os saberes e as práticas das mulheres nos ambientes de montanha do consórcio, o que é também uma forma de dignificar as atividades de cura e de trabalho doméstico que historicamente couberam às mulheres e que foram subvalorizadas no património etnográfico e imaterial da agro-pastorícia e da exploração da montanha no seu conjunto. Por fim, a ação-piloto permite definir e testar uma metodologia conjunta, implementada através dos laboratórios, concebida para lhes dar continuidade para além do projeto e ser facilmente transferível. O trabalho a favor da transmissibilidade da oralidade e o ensaio de mecanismos para a reproduzir no seio da comunidade são particularmente notáveis.

Leer más »

Mecanismos inclusivos para a valorização do património paisagístico cultural das montanhas

Ação-piloto articulada em 5 janelas de análise que constituem um transecto territorial através de diferentes paisagens de montanha do Sudoe, com características geográficas e patrimoniais diversas. A ação-piloto permite propor e testar diferentes propostas metodológicas de valorização, bem como dispositivos de digitalização do património e/ou de virtualização do mesmo através de modelos 3D. As janelas-piloto trabalham sobre questões complementares e realizam ações demonstrativas cooperativas destinadas a avaliar as melhores soluções para cada tipo de paisagem e de património. As soluções de sinalização física são comparadas com fórmulas virtuais, ainda pouco difundidas, mas que permitem analisar metodologias não invasivas para a patrimonialização das paisagens culturais. Um aspeto importante também abordado por esta ação-piloto é a incorporação de dispositivos tecnológicos e suportes museográficos inclusivos, que permitem tornar todo o património valorizado acessível a toda a sociedade, especialmente às pessoas com deficiência, que normalmente se encontram sem as ferramentas para desfrutar do património cultural em igualdade de condições, especialmente se for ao ar livre e não num museu. A ação-piloto não só testará as ferramentas mais adequadas para a valorização do património, como também visa avaliar o impacto da existência destes recursos inclusivos em grupos com cegueira ou deficiência visual quando realizam actividades de descoberta da paisagem, que percebemos principalmente pela visão.

Leer más »

Gémeos digitais de parcelas de regadio na Catalunha, Andaluzia, Múrcia, Nova Aquitânia e Alentejo

O objetivo desta ação-piloto é desenvolver “gémeos digitais” de sistemas de cultivo e de irrigação para diversas parcelas-piloto espalhadas pelo SUDOE. A metodologia terá sido desenvolvida conjuntamente e normalizada no âmbito do CESAP, sob a coordenação da UCO. O seu objetivo é criar “gémeos digitais” (JM) para as parcelas-piloto nas regiões da Catalunha, Andaluzia, Múrcia, Nova Aquitânia e Alentejo, nas explorações de agricultores de regadio voluntários. A implementação desta ação permitirá aos agricultores de regadio planear e gerir melhor a sua água de irrigação graças a esta ferramenta de tomada de decisão, bem como através do intercâmbio de experiências com outros agricultores do SUDOE. A ação será avaliada conjuntamente no âmbito do CESAP, com base nas reações dos agricultores sobre a utilização destas tecnologias. Esta avaliação permitirá adaptar eventualmente a solução para a sua integração na Estratégia SGW, bem como facilitar a sua transferência para outras regiões do SUDOE. A avaliação permitirá igualmente dar feedback aos fornecedores deste tipo de serviços e a todas as empresas de assistência técnica. O objetivo será aperfeiçoar a ferramenta e incentivar a sua aplicação noutras explorações, incluindo as pequenas e médias explorações, alvo prioritário do projeto SGW.

Leer más »

Estratégia de gestão da água na Catalunha, Andaluzia e Alentejo, e Nova Aquitânia

Esta ação-piloto visa desenvolver estratégias de gestão da água em situações de escassez através da utilização de tecnologias digitais. A metodologia terá sido desenvolvida conjuntamente e normalizada no âmbito do CESAP, sob a coordenação do IRTA. Será implementado com comunidades de agricultores de regadio nas regiões da Andaluzia, Catalunha e Alentejo e numa sub-bacia hidrográfica na Nova Aquitânia (Adour e Dordogne). Os principais resultados esperados são a implementação de estratégias de gestão da água em situações de escassez, utilizando um método que pode servir de referência para outros agentes do SUDOE. Favorecerá a adoção de boas práticas e o aperfeiçoamento da governação na gestão coletiva dos recursos hídricos. A ação será avaliada conjuntamente no âmbito do CESAP, com base nas reações das partes interessadas envolvidas na elaboração das estratégias. Esta avaliação permitirá adaptar eventualmente a solução para a sua integração na Estratégia SGW, bem como facilitar a sua transferência para outras regiões do SUDOE.

Leer más »

Método de caraterização e avaliação das soluções digitais existentes no mercado

O objetivo desta ação-piloto visa a elaboração conjunta de um método e, em seguida, a caraterização das soluções digitais existentes no mercado (sensores, teledeteção, telecomando, software de irrigação). A metodologia e a avaliação das soluções digitais terão sido desenvolvidas conjuntamente e normalizadas no âmbito do CESAP, sob a coordenação da UPA. A elaboração do método será enriquecida pela participação dos diferentes agentes envolvidos no projeto e pelos resultados de outras atividades do projeto: A realização desta ação traduzir-se-á em recomendações aos técnicos do sector da irrigação do SUDOE para a escolha de soluções entre a gama de produtos existentes. Permitirá também identificar as lacunas no repertório de tecnologias disponíveis e formular recomendações aos desenvolvedores de soluções sobre as lacunas na oferta atual e as oportunidades de melhoramento. Tudo isto será disponibilizado na plataforma SGW, que constituirá igualmente um fórum de intercâmbio entre agricultores (utilizadores de tecnologias), empresas (fornecedores) e centros tecnológicos ou universidades (formadores – avaliadores). Permitirá aos agricultores de todo o SUDOE partilhar com os seus pares os seus conhecimentos sobre determinadas ferramentas e permitirá às empresas e aos formadores conhecer melhor as necessidades dos utilizadores e melhorar as soluções propostas.

Leer más »